Se você tem uma empresa de médio porte, talvez se sinta desprestigiado. Afinal, não fatura como as grandes, tampouco pode usufruir dos benefícios restritos às pequenas.

No e-commerce, não é diferente, já que não há pacotes específicos dos Correios para baratear os custos do processo.

É por isso que você precisa de uma nova solução logística. E a boa notícia é que ela já existe, como veremos neste artigo.

Empresas de médio porte no comércio eletrônico

Para entender a presença de empresas de médio porte no comércio eletrônico brasileiro, primeiro, precisamos classificá-las quanto ao faturamento.

Legalmente, uma pequena empresa registra receitas de no máximo R$ 4,8 milhões por ano. Esse seria, portanto, o piso de um estabelecimento de porte médio.

Para o BNDES, o teto é de R$ 90 milhões, embora muitos utilizem como referência a exigência do Lucro Real como regime de tributação, que é de R$ 78 milhões.

Segundo o Sebrae, 90% dos e-commerces puros do país (sem loja física) são pequenos estabelecimentos, cuja presença se acentuou bastante a partir de seu ingresso em grandes marketplaces.

Entre os 10% restantes, estão as 50 maiores empresas do varejo online no país. A lista tem ao menos 19 representantes com receitas no comércio eletrônico limitadas a R$ 78 milhões

Veja, portanto, que estamos falando de um segmento expressivo da economia, embora por vezes pareça estar à margem dela.

Sem o volumoso faturamento das grandes e os benefícios concedidos às pequenas, das empresas de médio porte é exigido um malabarismo financeiro e criatividade para dar conta dos altos custos logísticos, que são comuns a qualquer tamanho de negócio.

Vamos entender melhor?

Soluções logísticas mais utilizadas por médias empresas

Tradicionalmente, as empresas do e-commerce utilizam duas soluções para a entrega de mercadorias e demandas de logística reversa: transportadoras ou Correios.

Com as primeiras, nem sempre conseguem bons acordos, em razão de o volume de pedidos não ser tão expressivo quanto nos grandes varejistas.

Já com a estatal, não encontram um programa específico que as beneficie, a exemplo do que ocorre com as pequenas empresas, por exemplo.

Apesar de os Correios terem alterado no mês passado o pacote básico de entregas, já anunciaram que novos produtos serão lançados em breve para esse público.

Já para as empresas de médio porte, como de costume, não há uma solução específica pensada para as suas características e necessidades.

Além do custo, vale lembrar que o modelo de entrega e coleta de objetos não é muito favorável, enfrentando as seguintes limitações:

  • Cliente precisa estar no endereço informado em horário comercial, ou deve haver pessoa responsável autorizada para receber o pacote
  • Nem todas as áreas são atendidas pelos serviços
  • Após três tentativas frustradas de entrega, cliente precisa enfrentar filas, restrições de horários e escassez de agências dos Correios pelo país
  • Havendo necessidade de troca ou devolução, tais limitações se repetem para a logística reversa, agregando custos significativos ao processo.

Além das implicações financeiras, tais obstáculos também prejudicam a relação das empresas com clientes.

Afinal, o que o consumidor mais deseja é receber o produto que comprou no menor prazo e pelo menos custo possível.

Só que a realidade é outra: especificamente nos Correios, o serviço é caro e ineficiente, tendo sido reajustado recentemente, ainda que avaliado de forma péssima pelos clientes, como no Reclame Aqui.

Não satisfeito pela solução que recebe, esse consumidor volta seu descontentamento para o lojista. E aí, você já sabe: há mais incêndios a apagar.

Mas não precisa ser assim.

A solução logística ideal para médias empresas

Se a sua empresa realiza ao menos 5 mil pedidos por mês, possivelmente, certamente houve identificação com todos os desafios que citamos até aqui.

Nesse caso, você vem gastando muito para não obter uma solução eficiente.

Felizmente, uma nova realidade já está ao seu alcance no país. Estamos falando do modelo de pontos de retirada, que na Europa e Estados Unidos já está consolidado, atendendo por pick up points ou click & collect.

São estabelecimentos físicos não vinculados à loja online, mas que servem como locais para a retirada de produtos adquiridos nelas.

Funciona assim: o consumidor compra no site de sua preferência e, no momento do checkout, indica onde deseja buscar a mercadoria. Ele pode escolher o ponto mais próximo de sua casa ou do trabalho.

Assim que avisado da chegada do item ao local, pode ir até lá no horário de sua preferência e fazer a retirada.

O sistema é vantajoso para ele, pois recebe a sua compra muito mais rápido e pelo menor custo. Já há experiências no Brasil com entregas em apenas meia hora. Na França, as principais representantes do modelo acessam os consumidores em apenas 10 minutos.

As vantagens também são muitas para os e-commerces de médio porte, já que economizam ao reduzir a taxa de insucesso nas entregas, além de não ser necessário acessar individualmente cada consumidor (o que é econômico também para as transportadoras).

Já para os lojistas parceiros, são esperados o maior fluxo de pessoas no estabelecimento e vendas adicionais. Estudos realizados em países como a Inglaterra sugerem que isso ocorre em mais de 60% das vezes em que o consumidor vai a um ponto de retirada.

Como acessar os pick up points

Para fechar essa parceria com lojas físicas, o seu e-commerce precisa de um intermediário, que é quem oferece o sistema, suporte e treinamento para efetivar a operação.

No Brasil, a pioneira nesse modelo – e maior rede de pontos de retirada do país – é a Pegaki.

Hoje, conta com mais de 300 locais ativos, operando em mais de 10 cidades diferentes e contando com parceiros importantes.

Entre eles, a Dafiti, principal varejo de moda online da América Latina, e a PagSeguro, fintech que faz uso da a solução para entregar máquinas de cartão de crédito.

Também vale citar os estabelecimentos físicos credenciados como pontos Pegaki, como as franquias da 5àsec e Lava&Leva, rede AccorHotels, lojas Passarela e o serviço Carrefour Faz+Fácil.

O que acha de inovar no varejo, economizar com logística e promover a maior satisfação dos clientes com um novo conceito omnichannel?

Visite o site da Pegaki, conheça mais sobre essa solução e faça contato conosco.